Beber ou não beber leite?!

O leite de vaca vem sendo vulgarmente considerado um vilão da alimentação sob a alegação de que faz mal à saúde dos intestinos.

De acordo com o Charak Samhita, o grande sábio da Ayurveda, o leite é um néctar para o organismo humano. Desde os tempos ancestrais na Índia, os Hindus consideram as vacas como Grandes Mães sagradas e os tradicionais “Vaidyas” (médicos ayuvédicos) dão ênfase ao leite como um alimento curador que promove a vitalidade, força e rejuvenescimento.

Para a nutrição ayurvédica o leite é considerado doce, frio e com um efeito pós-digestivo doce. Diminui Pitta e Vata, e aumenta Kapha, podendo diminuir o fogo digestivo. As proteínas presentes no leite fresco são de muito melhor qualidade do que as encontradas nos ovos e na carne. Os aminoácidos encontrados nas proteínas do leite são necessários para o bom funcionamento do cérebro e do sistema nervoso. Ele também contém cálcio, que beneficia o sistema nervoso, fósforo e ferro que favorecem o sangue e os olhos, assim como diversos minerais, sendo um alimento tão completo para o organismo humano que é freqüentemente considerado um medicamento.

O leite é tônico, rejuvenescedor, nutritivo, afrodisíaco, calmante e laxativo. Ele é particularmente nutritivo para o plasma e para a pele e, através deles, todos os outros tecidos, sobretudo o reprodutor. É um bom tônico para os pulmões e estômago e para problemas hemorrágicos nestes locais. O leite também é benéfico em caso de tosse seca, garganta seca, febre e sede. É um laxativo moderado, sobretudo se for tomado quente e com ghee, e é eficaz para a maioria dos tipos Pitta. É um alimento excelente para as crianças, para os mais velhos, debilitados e convalescentes. O leite é altamente Sáttvico, nutritivo para o cérebro e os nervos. Ele fortifica a mente, memória, a intuição e Ojas (vitalidade), aumenta o contentamento, favorecendo a concentração e meditação. Ajuda a promover o sono, sobretudo se ingerido quente e associado com especiarias nervinas como a noz moscada.

Para facilitar a sua digestão, basta combiná-lo com especiarias redutoras de muco e umidade como o gengibre, o cardamomo, a canela e a cúrcuma (açafrão da terra).

Como nem tudo são flores, o seu consumo é contra-indicado, principalmente se consumido frio, em condições Kapha (com presença de muco) e em presença de Ama (toxinas), artrite ou gota, ou em caso de intolerância à lactose e/ou alergia.

Intolerância e alergia ao leite

A Lactose (o açúcar do leite) é digerida por uma enzima específica, produzida pelo intestino delgado, a Lactase. A intolerância ao leite se caracteriza pela não produção ou pela produção insuficiente da Lactase.

 

Simplificando: a Lactose chega ao intestino e não é digerida propriamente, o que abre espaço para que as bactérias presentes na flora intestinal o façam, produzindo reações e subprodutos irritantes para mucosa do intestino (gerando cólica, gases e náusea). Para se livrar desses corpos estranhos, o intestino se “lava” com água, causando a diarréia.

Num organismo normal, que foi amamentado e permaneceu ingerindo leite ao longo da vida, a Lactase é produzida regularmente e o leite é digerido sem problemas. Mas, quando a pessoa desmama (deixa de tomar leite por longos períodos) o organismo deixa de produzir definitivamente essa enzima, tornando-se intolerante.

Nos derivados de leite, como iogurte e queijo, as bactérias já fizeram essa pré-digestão no processo de fermentação, portanto, normalmente a ingestão desses produtos não causa reações incomodas.

A intolerância à Lactose é uma falha genética e deve ser respeitada, substituindo o leite por produtos alternativos que contenham cálcio como brócolis, repolho-chinês, couve, mostarda, feijão azuki, batata-doce, feijão branco, espinafre e gergelim.

Outra situação comum é a alergia à proteína do leite (uma hipersensibilidade do sistema imunológico). Nesse caso, o consumo de derivados do leite também deve ser suspenso, pois, eles também causarão efeitos indesejados.

Portanto, se você não é um intolerante à Lactose, deixar de consumir leite de vaca é uma medida preventiva desnecessária que te privará do consumo desse néctar.

Referências bibliográficas

JOHARI, Harish. Ayurvedic Healing Cuisine. Vermont:Healing Arts Press, 2000. 264p.

SIZER, Frances; WHITNEY, Eleonor. Nutrição – Conceitos e Controvérsias. 8.e.d.São Paulo: Manole, 2003. 567 p.

SLYWITCH, Eric. Alimentação sem carne. 2.E.D.São Paulo:Alimentação sem carne, 2008. 112p.

Marise Berg

ayurvedicamente.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *