O Despertar da Consciência

arvore sol

Por Luiz Gandra

Este artigo propõe examinar um pouco o que vem a ser o despertar da consciência.

Este termo é muito usado na cultura oriental como no Budismo, no Hinduísmo, no próprio Yoga e outras correntes filosóficas e religiosas do oriente, mas para nós ocidentais se torna uma expressão pouco usual e por muitas vezes, por falta de um maior entendimento, até um tanto quanto confusa.

Em poucas palavras despertar a consciência é acordar de um sono profundo. Este sono profundo são momentos nos quais intenções, pensamentos, palavras e ações se manifestam em práticas nas quais nossos olhos estão vendados pela ilusão. Portanto, é clarear nosso olhar. Em vista disso, precisamos nos disciplinar, trazer o estado de atenção e observação constante sobre todas nossas ações do dia-a-dia, nos mantermos alertas e na condição de vigilância.

O propósito do despertar da consciência é alcançado através de muito trabalho e dedicação. Podendo ser através de práticas meditativas, alinhamento com o Divino, prática fiel do bem e a construção da fé. As ferramentas são diversas e cada um descobre a maneira que mais lhe convém a esta prática. O despertar da consciência pode ser alcançado por qualquer pessoa, independentemente de qual seja sua fé, pois este despertar está diretamente ligado ao próprio Divino e não condicionado a uma crença ou a uma religião.

Devemos considerar também que não se alcança o despertar da consciência do dia para noite, mas sim, da noite para o dia. É como um amanhecer gradativo. Apesar de ser acessível a todos nós, não é despretensioso como, por exemplo, acionar um interruptor que, por sua vez, acende uma lâmpada que ilumina subitamente toda uma consciência, mas sim, como em um amanhecer, aonde de forma gradativa os raios do Sol pouco a pouco vem preenchendo todo o espaço onde antes existia a escuridão. Assim, gradualmente a luz vem iluminando todos os cantos escuros do nosso ser, nos despertando para uma consciência Divina, como o Sol clareando os nossos dias.

Neste processo, podemos reconhecer alguns espinhos, caminhos tortuosos e construções mal feitas. A procura do despertar da consciência nos encaminha para a correção, onde no lugar de espinhos, plantamos flores, alinhamos nossa caminhada com a Luz Divina e reconstruímos aquilo que não estava de acordo com uma consciência mais ampla e iluminada. Reconhecemos também nossas virtudes, algumas já despertas e que, portanto, podem ser exploradas e ampliadas de forma a proporcionar mais luz na nossa caminhada e na das pessoas que nos cercam. E outras virtudes que ainda aguardam o nosso despertar, e que no momento certo virão como um novo raiar de Sol. Um exemplo de despertar da consciência seria a pessoa se reconhecer na natureza e a natureza em si. Quando despertamos para a natureza, despertamos para a onipresença Divina. Reconhecemos o Divino em sua plenitude e em toda a natureza, em nós, nos animais, nos vegetais, nos minerais e em todo o universo. Podemos ver em algumas sociedades a maneira como o homem se conectava com o Divino através da Natureza, reconhecendo sua manifestação em tudo e vivendo de forma mais harmoniosa, respeitando a natureza e tudo que pertence a ela, pois se vê como parte dela.

Hoje em dia, a humanidade sofre as consequências de um dia ter se visto fora da natureza, portanto, como ser superior a ela. Se colocando como aquele que não faz parte, mas sim usa e abusa de seus recursos sem se preocupar com gerações futuras e nem mesmo com o seu próprio habitat. Com a consciência adormecida passamos a explorar de forma cruel e desenfreada nossos recursos naturais, poluindo e assoreando rios, destruindo florestas, poluindo o ar, se vendo como ser superior a culturas que se mantiveram em harmonia com a natureza, como os índios nas Américas, os aborígenes na Austrália e algumas etnias africanas. Portanto, cegos por um véu de ilusão que alimenta a ganância, o ego, o poder, o individualismo, e uma sociedade consumista que se deixa manipular pela ideia de que para ser alguém; é preciso poder e capital.

Isto tudo nós sabemos e sofremos juntos às consequências diariamente, contudo, o que faz diferença mesmo é o momento em que sua consciência desperta para isto. É como ver um copo d’água e beber um copo d’água, são coisas completamente diferentes. Por mais que eu descreva o copo e a água contida dentro dele, o que faz toda diferença é o momento em que você bebe a água. Desta forma, também funciona o despertar da consciência. Quando aquele raio de Sol alcança um cantinho escuro dentro de você, naquele momento muda tudo! Por mais que você já tenha assistido algo parecido, desta vez, você viu dentro de você e é completamente diferente, porque você não só vê, mas também sente. Por isso, os sábios dizem que as experiências mais profundas não podem ser descritas por palavras, pois devem ser vivenciadas em seu interior, em seu ser, na sua essência Divina.

Quando despertamos nossa consciência para a natureza de forma que nos reconhecemos nela, percebemos que somos como qualquer outro ser deste planeta e que se temos uma inteligência que nos permite desenvolver ciências e tecnologias, temos também muito mais responsabilidade pelos nossos atos. Devemos guarnecer o planeta e seus reinos e buscar ascender espiritualmente. O despertar para a natureza é o despertar para o Divino, sua onisciência, onipresença e onipotência. É o despertar para a natureza em todo o Universo. Portando, é um despertar para a Luz de Deus.

Gratidão pela leitura!

Texto postado originalmente no site – https://luizgandra.tumblr.com/post/108353998970/o-despertar-da-consci%C3%AAncia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *