O convite

O convite
(por Oriah Mountain Dreamer, Indian Elder )

Não me interessa o que você faz para viver. Eu quero saber o que você deseja ardentemente, e se você se atreve a sonhar em satisfazer os anseios do seu coração

Não me interessa quantos anos você tem. Eu quero saber se você se arriscaria parecer com um louco por amor, pelos seus sonhos, pela aventura de estar vivo.

Não me interessa saber que planetas estão em quadratura com sua lua. Quero saber se você tocou o centro de sua própria tristeza, se você tem sido exposto pelas traições da vida ou se tornaram murcho e fechado por medo de mais dor.

Eu quero saber se você pode sentar-se em dor, a minha ou a sua, sem tentar escondê-la ou disfarçá-la ou corrigi-la.

Eu quero saber se você pode conviver com a alegria, minha ou sua, se pode dançar com selvageria e deixar o êxtase preenchê-lo com a ponta dos seus dedos, sem nos advertir que ser cuidadoso, de ser realista ou de lembrar o limitações do ser humano.

Não me interessa se a história que você está me dizendo é verdade. Eu quero saber se você pode desapontar o outro para ser verdadeiro para si mesmo, se pode suportar a acusação de traição e não trair sua própria alma.

Eu quero saber se você pode ser fiel e, portanto, ser digno de confiança.

Eu quero saber se você pode ver a beleza, mesmo quando ela não é bonita todos os dias e se você pode conectar a sua vida da presença de Deus.

Eu quero saber se você pode viver com o fracasso, seu e meu, e ainda estar de pé à beira de um lago e gritar para o prateado da lua cheia: “Sim!”

Não me interessa saber onde você mora ou quanto dinheiro você tem.

Eu quero saber se você pode levantar depois de uma noite de tristeza e desespero, exausto e ferido até os ossos, e fazer o que precisa ser feito para as crianças.

Não me interessa quem você é, como você chegou até aqui.

Quero saber se vai permanecer no centro do fogo comigo sem recuar.

Não me interessa onde, o quê ou com quem você estudou.

Eu quero saber o que o sustenta a partir de dentro, quando tudo mais desmorona.

Eu quero saber se você pode estar só consigo mesmo e se você verdadeiramente gosta da companhia que tem nos momentos vazios.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=55-OtwnL5Q8]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *