O poder do abraço

“Me abrace, que no abraço mais do que em palavras, as pessoas se gostam”.

Clarice Lispector

Há muito tempo que penso sobre o poder de algo tão simples e muitas vezes esquecido o tal do ABRAÇO. Você já sentiu vontade de ficar em um abraço por horas? Já teve a sensação de ao receber um abraço, tudo ao redor parece desaparecer inclusive seus pensamentos? Isso só conseguimos sentir quando o abraço é verdadeiro por ambas as partes.  Em um abraço puro existe além do encontro dos corpos, o enlace das almas.

Por isso é que abraçar faz tão bem! De acordo com o Dr. Greg Risberg da Universidade de Medicina Northwestern de Chicago, o benefício fisiológico do abraço inclui uma redução da pressão arterial e um aumento de oxigenação do sangue. Segundo o Dr. Risberg, todos temos o que se poderia chamar de “fome da pele” e nossa saúde corre sérios riscos se não recebermos carinho continuamente na vida (a prova mais marcante disto, são os experimentos feitos com animais separados das mães e que ficam sem afeto físico durante longo tempo). Diz ainda o Dr. Risberg que para saciar nossa “fome da pele”, são requeridos no mínimo quatro abraços bem dados por dia.

Nossa, 4 abraços, não parece difícil! Mas é interessante como nos esquecemos de coisas elementares na vida. Quando crianças, temos o carinho de nossos pais ou de pessoas com quem vivemos, e até de estranhos. Com raras exceções, toda criança pequena é objeto de abraços, beijos, carinhos, palavras doces e muita atenção. O afeto que recebemos e damos, parece que vai diminuindo à medida que os hormônios sexuais vão aumentando em nosso corpo, não por que uma coisa tenha a ver com a outra, fisiologicamente, mas pelo preconceito que criamos relacionando o toque físico com a sexualidade.

Um exemplo de abraço verdadeiro e de puro amor que tem o poder dissolver todos medos e sofrimentos desde que estejamos receptivos é o da Amma, a guru indiana que já abraçou mais de 20 milhões de pessoas.

Mata Amritanandamayi  ou Amma, como é conhecida ­ tem um hábito muito especial. O de abraçar. Pode parecer banal, mas não é. O abraço de Amma aconchega, pacifica, acalma. Para alguns, ele chega a abençoar, uma vez que Amma (mãe, em sânscrito) é vista por milhões de pessoas como uma verdadeira santa na Terra, a encarnação do amor. Pois é como uma verdadeira mãe de todos que esta indiana de 54 anos se sente. Reconhecida pelas Nações Unidas por seu trabalho humanitário e por promover a paz no mundo, Amma é uma altruísta incansável. Chega a ficar mais de 20 horas sem se levantar somente distribuindo seus famosos abraços. Enquanto houver uma pessoa esperando, Amma continua ali, disponível, a quem quer que seja. Mantém ainda a Fundação Mata Amritanandamayi Math, na Índia, uma imensa rede que promove atendimento gratuito com hospitais, clínicas, orfanatos, farmácias ambulantes, asilos, creches, entre outros serviços e programas de combate à pobreza. Segundo a ONU, a fundação é a “única organização não-governamental capaz de promover, em larga escala, um esforço humanitário completo”.

Que todos estes abraços nos inspire a distribuir cada vez mais amor!

Namastê!

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=Mai33Z5CQn8&feature=player_embedded]

One Comment

  1. Manuel Pradenas Saavedra

    Simone, O abraço cotidiano representa também o grao de amizade entre duas pessoas, pouco comúm aqui no Brasil, mais últimamente tem se popularizado devido ao avanço da nossa civilizaçào aqui na america do Sul. Nos temos que usar muito mais seguido essa costume.
    Manuel Saavedra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *